Mais Lidos

Escrito Por: Edi CDL domingo, 29 de setembro de 2013

Capitulo Dois

O Diabinho da Garrafa



 *Fernanda não gostava de ópera, mas como a maioria dos jovens ela adorava balada. Seu pai, um professor de Física com olhares obscuros e rosto carrancudo é um pai presente. Sua pele branca e seus olhos castanhos claros lhe eram bem vindas. Sempre que pode, alimenta a filha com as superficialidades do mundo moderno. Viagens para o exterior. Paris, Roma e este ano ela pretende conhecer a Austrália. Mas como um professor de Física conseguia tantos recursos? Como ele com um salário “de fome” que o estado lhe pagava, conseguia fazer tudo isso? Segundo o próprio era através de uma “boa gestão financeira herdada dos pais”. Era a mentira que ele dizia aos amigos, era a mentira que ele dizia para a filha, mas era a mentira que ele queria dizer para si mesmo. Mesmo sabendo a verdade, seria muito melhor se entender com ela depois.

***

 Danilo teve que pegar um taxi. Com o cartão de credito de dependente (que a mãe lhe deu no começo do ano) ele pagou o taxista (dessa vez o motorista era humano para o seu alivio). Pensar que Mephisto, esteve tão perto de sua espada, tão perto de mandar um demônio extremamente chato para as profundezas do fogo eterno e talvez nunca mais o ver. Parecia um sonho que ele deixou escapar por muito pouco, “pela maldita inercia, odeio física”.

As ruas estavam pouco iluminadas e apenas Danilo caminhava pela rua em direção a sua casa. Para ele chegar até lá, tinha que subir uma pequena ladeira e o motorista do taxi inventou que não poderia subir até lá porque o seu carro era movido a gás. Como Danilo não entendia muito bem disso teve que seguir a pé o resto do trajeto. Ao passar pelo numero 504, uma voz suave como a de um anjo lhe gritou. Quando ele olhou para trás percebeu que era Fernanda, com baby-doll lindo e transparente. Sem hesitar ele foi até ela:

- Danilo, bom, eu entro na faculdade este ano e queria uma ajuda sua.

- Pode falar – disse Danilo animado.

- Eu queria montar a minha grade da faculdade, mas não sei mexer naquele site, me ajuda? – Fernanda fez uma voz muito gostosa de ouvir no final da frase.

- Sim, ajudo sim – respondeu o jovem que evitava olhar o máximo para Fernanda com aquele baby-doll,  Danilo procurou pensar no seu amigo Elton o tempo todo.

 Ele entrou na casa de Fernanda e meio que sem perceber (pois o corpo dela parecia causar uma espécie de feitiço manipulador de mentes) já estava no quarto dela. Lá estava Gilmar, o pai da "paixonite" do Elton, que Danilo viu poucas vezes na sua vida. Gilmar tentou pela ultima vez montar a grade dela e assim que a tentativa falhou, desistiu e saiu da cadeira dando lugar a Danilo. Depois de pelo menos 5 minutos sentado na cadeira, Danilo montou completamente a grade de horários da jovem “fresca”. Gilmar (que estava ganhando uma ligeira barriga de chopp) disse com uma voz rouca “obrigado, lhe acompanho até a porta” Fernanda nem agradeceu, já estava mexendo no seu smartphone.  Passando por um corredor que levava até a porta, mas passando pela cozinha, ele no notou uma coisa muito estranha. Encima da geladeira, havia uma garrafa tampada por uma rolha e dentro dela havia uma criatura humanoide, escura, com olhos vermelhos e com dois pequenos chifres na testa.

- Seu Gilmar, o que é aquilo? –

Gilmar sentiu sua espinha gelar e de certa forma pensou em matar Danilo ali mesmo.

- Como?

- Tem uma criatura ali den... – Antes terminar Gilmar lhe deu um empurrão.

- Vai pra casa agora! E nunca mais volte aqui! Agora! – Disse Gilmar aos berros.

 Danilo por um momento pensou ele era um assaltante e uma vez descoberto o seu crime, foi expulso de casa. 

 Com passos rápidos e sempre firmes ele chegou bem rápido em sua casa. Dormindo no sofá, ainda vestida com a roupa do show, sua mãe Ana dormia, sem preocupação no sofá. Danilo foi até o seu quarto e lá percebeu que Ezequiel já estava nela . “Ezequiel, você não sabe oque aconteceu cara...” Danilo contou tudo o que houve, mas o fato que mais chamou a sua atenção era a criatura demoníaca que Gilmar tinha dentro daquela garrafa.

- Danilo, o que você viu era um **Cramulhão, um demônio que precisa ser chocado por uma galinha preta e durante alguns dias.... – Ezequiel contou com detalhes como era o ritual macabro – Por fim este ser precisa ser alimentado com sangue humano. Enquanto a pessoa viver ela terá tudo, a vida financeira dela será perfeita, ao final da vida o valor do serviço contratado é uma viagem sem volta ao inferno.

- Quer dizer então que Gilmar faz todas essas viagens e da tudo para Fernanda por causa desse pacto?

- Com certeza.

- Ezequiel, podemos fazer alguma coisa? Algo para ajudar ele?

- Só quem pode quebrar contratos seria Deus, em matéria de poder, somente Ele, mas nem Ele fará, porque Deus não pode quebrar regras que ele mesmo estipulou. Se ele fizer isso, todos serão salvos, indiferente das praticas, pois Deus ama a todos da mesma forma.  Terá que salvar todos que estão encrencados. Apesar de ser possível, Deus não pode interferir, pois a decisão final de Gilmar foi essa e independente do destino, o ser humano deve colher o que plantou.

- Ah, que droga, bom - depois de uma breve pausa - temos coisas pra fazer.

 Danilo se virou para o seu computador e na hora se lembrou de que teria que montar a sua grande de horários também.

 Ezequiel sentiu que Danilo nem se importou muito, mas ele também sabia que coisas muito mais importantes estão em jogo e foi o pobre do Gilmar que selou o seu destino com um pacto com demônios.

***

 Há 22 anos, Gilmar era um homem feliz. Uma linda esposa (grávida) lhe dava uma alegria imensa. Fernanda nasceu, mas quando uma vida nascia, uma se perdia. A esposa de Gilmar morreu quando a filha nasceu. Isso acabou com o homem que apenas era formado em física, o que neste país não significa muita coisa. Por não aguentar a falecimento precoce da esposa, Gilmar teve dois derrames que o fizeram perder boa parte dos movimentos das pernas e uma parte da mão direita. Impossibilitado de trabalhar e com uma filha para criar, a pobre alma não tinha o que fazer. Bom, até tinha e acabou fazendo a única coisa que um estranho ofereceu a ele naquele momento. Uma passagem só de ida para o inferno. Mas o que era a eternidade perto da felicidade da filha “nada”. Inferno para Gilmar era uma coisa simples de imaginar. Para ele e a maioria das pessoas, o inferno era um mar de fogo e enxofre aonde sua carne iria queimar durante toda a eternidade. “Mas só que não”. O inferno é bem pior. Imagine um lugar aonde aonde não há presença de nada, de ninguém, aonde você não sente a Deus, não ver a luz e não tem nada além de trevas e escuridão. Aonde não existe a palavra amor. O inferno seria a isenção da esperança, a completa companheira seria a solidão e o perfeito crime (o mesmo que Gilmar cometeu) seria amar alguém acima de Deus. O maior dos pecados.

____________________________________________________________________________________________

*Fernanda - Aparece pela primeira vez no capitulo 6 do livro Danilo contra o Senhor das Moscas, Elton amigo de Danilo é apaixonado por Ferrnanda. Mas a mesma não da minima para ele. Wagner e Fernanda tem um pequeno relacionamento no primeiro livro.


** O Diabinho da Garrafa, também conhecido como Famaliá, Cramulhão, ou capeta da garrafa, é um pequeno demônio que nasce de um ovo, e é criado por um humano, normalmente que tenha pacto com o diabo, para satisfazer seus desejos materialistas.



Leave a Reply

O que achou?

Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

- Copyright © A Saga de Danilo - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -